desenhos ‘dia da consciência negra’

Desenhos animados com temática para sensibilizar discussões sobre o dia da consciência negra.

Ruca é um garotinho careca de 4 anos, ingênuo e hiperativo.
De uma hora para outra, todos no Bairro do Limoeiro ficam azuis, menos a Mônica. E, para agravar a estranheza da situação, todos começam a tratá-la mal sem motivo. Será um pesadelo ou o quê?
Episódio de Super-choque que fala diretamente sobre racismo. Episódio 08
“Hair Love” é um curta-metragem estadunidense de 2019 escrito, produzido e dirigido por Matthew A. Cherry. Segue a história de um homem que deve pentear a filha pela primeira vez. 
Ser antirracista é agir contra os conflitos causados pelo racismo, com colaboração. Ao colaborar, os brancos antirracistas devem procurar trabalhar com a outra pessoa (o cidadão negro), para encontrar uma solução que satisfaça plenamente os interesses das duas partes.
O racismo é uma das formas de preconceito, aquela que acredita que uma raça possa ser melhor que a outra. O que não é verdade. O racismo começou há muitos e muitos anos atrás, através de uma ideia que reforçava a dominação de povos brancos europeus sobre populações de outras etnias de fora da Europa. O desenvolvimento cultural avançado dos europeus, fez com que eles passassem a explorar e descobrir novos países, e para colonizar as novas terras, capturavam africanos para trabalharem como escravos por lá, pois eles eram muito fortes. O racismo começou no Brasil durante a escravidão, onde os negros eram cruelmente tratados como sendo inferiores aos brancos. E este pensamento racista segue para muitas pessoas até hoje.
O dia da consciência negra é comemorado no Brasil no dia 20 de novembro. Esta dia marca a data da morte de Zumbi dos Palmares, o líder do maior Quilombo que existiu no Brasil, o Quilombo dos Palmares. Ele liderou a resistência de seu povo contra os ataques dos portugueses no século XVII.
Zumbi dos palmares – quem foi zumbi dos palmares? A data incluída em 2003 no calendário nacional refere-se à morte de zumbi dos palmares o último líder do maior dos quilombos do período colonial o quilombo dos palmares. Zumbi e o quilombo dos palmares || a história. zumbi, o quilombo dos palmares e o dia da consciência negra.
Martin Luther King (1929-1968) foi um ativista norte-americano que lutou contra a discriminação e tornou-se um dos mais importantes líderes dos movimentos pelos direitos civis dos negros nos Estados Unidos Martin Luther King nasceu em Atlanta, Geórgia, Estados Unidos, no dia 15 de janeiro de 1929. Filho e neto de pastores da Igreja Batista resolveu seguir pelo mesmo caminho. Desde jovem, Martin Luther King tomou consciência da situação de segregação social em que viviam os negros de seu país, em especial nos estados do Sul.
Você sabia que na República Democrática do Congo, um país no continente africano, tem uma região onde crianças, adultos e idosos cantam uma cantiga para terem coragem de atravessar o rio no período das chuvas? Para deixarem de lado o medo da travessia, eles vão juntos e cantam uma canção muito antiga, mas que existe ainda hoje. Ela fala de valentia, coragem e coletividade. Essa música não é na nossa língua portuguesa, é na língua lingala.
Essa historinha, conta a variação de cores e raças que formaram a nação brasileira.
Contação de Histórias Autora: Ana Maria Machado
A historinha “O cabelo de Lelê” da escritora Valéria Belém é uma linda historinha que levará as crianças à valorizarem seus cabelos como eles são.
Livro: A Cor de Coraline Autor: Alexandre Rampazo
No Brasil no tempo da escravidão brancos e negros não podiam ser amigos não. Mas para as crianças quem manda é o coração. E o escravo Matias era amigo de Ioiô seu patrão. Brincavam e brigavam indiferentes a qualquer lei sem saber que um dia um deles ainda seria rei.
A animação CABELO MALUCO é um tributo divertido e, ao mesmo tempo, necessário e lúcido de valorização dos cabelos cacheados.

Consciência Negra

Dudu é um garoto negro, inteligente e imaginativo, estudante de um colégio particular da classe média de São Paulo. Durante uma aula de educação artística, sua professora, Sônia, diz a ele que utilize o que ela chama de “lápis cor da pele” para pintar um desenho. A frase desperta em Dudu uma crise de identidade. Com toda a inocência de uma criança da sua idade, Dudu passa a carregar o lápis em questão consigo para encontrar alguém que possa sanar seus questionamentos. Sua mãe, Marta, logo percebe e resolve ir até a escola da criança tomar satisfações sobre o ocorrido. A professora justifica-se dizendo que falou de forma automática, sem pensar. No meio da discussão, Dudu foge, levando consigo seu “lápis cor da pele”. Sua mãe e sua professora passam a procurá-lo desesperadamente. Passa por diversos lugares da cidade até encontrar Madalena, uma antropóloga e curadora de arte. Madalena e Dudu criam uma empatia imediata e mútua e ela, através do seu conhecimento, mostra ao garoto o quanto a raça e a cultura negra são importantes. Madalena conta a Dudu que seu nome (Dúdú) em lorubá significa negro. Dudu identifica-se com as coisas que Madalena diz a ele e desenvolve um sentimento de orgulho por sua raça. Ele resolve que a partir daquele dia não quer que o chamem por seu nome – Eduardo – e sim por Dúdú.

Cida é negra, tem 40 anos e trabalha para Maria, uma velha de 80 anos, viúva e sem filhos, que é extremamente racista. A patroa tripudia sobre a empregada, que atura ser maltratada em silêncio, mas encontra uma forma de vingança em um jogo de xadrez.

Em uma sala de aula, um grupo de jovens se desentende por causa de uma declaração racista de um deles dirigida a uma colega. A moça se ofende, a professora de Português intervém e sugere que eles levem o tema para o professor de História, que certamente poderá ajudá-los no debate. O professor propõe mais do que um debate: os leva-os a refletir sobre o racismo na nossa sociedade, a buscar as origens do preconceito racial e, além disso, a envolver outras pessoas na discussão, resultando num belo trabalho em grupo, depois apresentado para toda a turma. Intercalando esta ação, depoimentos de líderes do movimento negro, estudiosos e pessoas vítimas de racismo. Educação, saúde, mercado de trabalho, políticas de ação afirmativa, consciência e cidadania são alguns dos tópicos abordados ao longo deste trabalho. O vídeo faz parte da campanha Direitos são pra valer, que visa auxiliar professores, alunos e seus familiares a reconhecerem as diferentes formas de racismo e a propor ações para superá-las. A iniciativa teve por objetivo trazer a questão ao debate público e fortalecer a implementação da Lei 10.639/2003, que instituiu a disciplina História e Cultura dos Afro-brasileiros nas escolas de Ensino Fundamental e Médio. Sugestão de uso: Entidades do movimento negro, estudantes e professores, igrejas, associações de moradores e movimentos sociais em geral.

O vídeo ficcional-educativo traz em menos de 30 minutos uma paródia sobre como o racismo e o preconceito ainda são encontrados nas salas de aula do Brasil. Invertendo a ordem da história, o vídeo utiliza a ironia para trabalhar o assunto de forma educativa. Nele, negros aparecem como classe dominante e brancos como escravizados e a mídia só apresenta modelos negros como exemplo de beleza.

Nesse episódio especial, Neto e Clara fazem um panomara da História Negra do Brasil.

Documentário da socióloga americana Jane Elliot sobre discriminação racial. Trata-se de um experimento onde pessoas de “olhos azuis” são taxadas como uma raça inferior e por conta disso passam a sentir na pela um pouco do que os negros americanos sofrem diariamente.

documentário sobre a consciência negra

Considerado o maior herói negro nacional, Zumbi dos Palmares é figura presente na história do Brasil. O dia 20 de novembro, feriado nacional, é um convite para relembrar a luta pela libertação dos escravos e para refletir sobre os avanços e desafios da população negra no Brasil. Confira neste documentário, parte da Década Internacional de Afrodescendentes da ONU.

Comida Que Alimenta

O vídeo Comida que Alimenta é uma realização do Centro Sabiá, vinculado ao projeto Trabalho, Renda e Sustentabilidade no Campo, patrocinado pela Petrobras. O projeto busca fortalecer as experiências de agricultura Agroflorestal de base Agroecológica na Zona da Mata Sul de Pernambuco, além de ter um forte componente de agregação de valor à produção da agricultura familiar desse território, com a instalação de Unidades de Beneficiamento de frutas e de mel, para atender principalmente as compras institucionais via Programa de Aquisição de Alimentos – PAA e Programa Nacional de Alimentação Escolar – PNAE, e o mercado turístico do território. Além de buscar fortalecer a estratégia de comercialização direta produtor/consumidor via Feiras Agroecológicas.

Meditação – Benefícios nas Escolas

por uma educação emocional

meditação para leigos:

desenvolvimento de competências através das práticas meditativas, sobre alunos e corpo educacional:

  1. Desenvolver habilidade de controle emocional;
  2. Criação de oportunidades para que o aluno viva seu mundo interno;
  3. Desenvolver inteligência emocional;
  4. Humanizá-los, fazendo com que coloquem sua criação para dentro de si mesmo para que e quem está em seu entorno;
  5. Aumenta concentração, autoconhecimento, relaxamento;

“Encontrar uma mulher no trabalho não deveria ser tão difícil”

Este foi o slogan da nova campanha da ONU Mulheres para demonstrar a desigualdade de gênero no mercado de trabalho, principalmente nas áreas de ciências, exatas e na política.

A campanha fez uma releitura de “Onde está Wally?”, trocando o conhecido personagem de vermelho e branco por uma mulher – em um mar de homens. A iniciativa chamada “Finding Her” (ou “Encontrando ela”, em tradução livre), criada pela agência DDB Dubai, foi divulgada no Dia Internacional da Mulher, na semana passada, no Egito.

De acordo com dados do site Catalyst, as mulheres representavam menos de 30% da força de trabalho na área da pesquisa e desenvolvimento em todo o mundo no ano de 2013. Na América Latina e Caribe, o número de mulheres neste campo aumentava para 44,3%.

No Reino Unido, as mulheres representam apenas 12,8% da força de trabalho nas áreas de ciências, matemática, engenharia e tecnologia. Entre 2012 e 2015, a proporção de mulheres aumentou apenas 0,2 ponto percentual.

A série de ilustrações desafia o público a encontrar apenas uma mulher em ambientes de trabalho nos campos da Ciência, Tecnologia e Política. Você consegue encontrá-las?

Illustration-findingher-Techillustration-findingher-Scienceillustration-findingher-Parliament

 

consciência africana

Gustavo Gomes Silva dos Santos é aluno do CEU Vila Curuçá em São Paulo. A equipe da Rede TVT o conheceu durante as atividades do “Leituraço” de contos africanos e afro brasileiros promovido pela prefeitura de São Paulo. Assista o que ele tem a dizer sobre a importância da ação no combate diário ao racismo.