Kirikú e a Feiticeira

Kiriku é um longa de animação franco-belga de 1998 dirigido por Michel Ocelot. Retrata uma lenda africana, em que um recém-nascido superdotado que sabe falar, andar e correr muito rápido se incumbe de salvar a sua aldeia de Karabá, uma feiticeira terrível que deu fim a todos os guerreiros da aldeia, secou a sua fonte d’água e roubou todo o ouro das mulheres. Kiriku é tratado de forma ambígua pelas pessoas de sua aldeia, por ser um bebê, é desprezado pelos mais velhos quando tenta ajudá-los, porém, quando realiza atos heroicos, suas façanhas são muito comemoradas, embora logo em seguida voltem a desprezá-lo. Apenas a sua mãe lhe trata de acordo com sua inteligência.

Sequência de Kiriku e a Feiticeira (1998), o desenho animado francês Kiriku – Os Animais Selvagens retoma a história do minúsculo menino africano Kiriku, mais uma vez enfrentando a terrível feiticeira Karabá, que ameaça a sobrevivência de sua aldeia. O filme estréia nesta sexta-feira em dez cópias, todas dubladas, em São Paulo, Santo André e São Bernardo do Campo.

Kirikú – Os Animais Selvagens compreende quatro histórias inspiradas, como o filme de 1998, em lendas do oeste africano. Na primeira, o pequeno Kiriku, que todos pensavam ter se afogado, se recupera e ajuda sua aldeia a recomeçar a agricultura. No desenho anterior, a feiticeira esgotara o suprimento de água dos aldeões, mas Kiriku encontrou uma nova fonte.

Em seguida, a comunidade terá de enfrentar uma hiena gigantesca que invade sua horta, destruindo boa parte da plantação, já no ponto de ser colhida. Kiriku tem a idéia de que todos façam potes de cerâmica para vender na cidade, ganhando dinheiro para comprar alimentos. Ele mesmo vai fazer o maior sucesso com seus potinhos em miniatura.

Kiriku vive uma grande aventura quando faz um passeio sentado na cabeça de uma girafa, o que lhe permite conhecer paisagens nunca vistas antes. Seu problema, depois, vai ser encontrar um jeito de descer lá de cima sem se machucar.

A última e mais perigosa missão do menino surge quando todas as mães da aldeia adoecem. Uma bebida que tomaram foi envenenada pela feiticeira. Kiriku vai se disfarçar para colher a planta que dá o antídoto em pleno jardim da bruxa, que é vigiado por seus perigosos robôs. por Neusa Barbosa.

* especial para o 4ª do cecília ifange:)

Anúncios

Um pensamento sobre “Kirikú e a Feiticeira

  1. Pingback: Kiriku e a Feiticeira | Filosofia Animada

Grato pelo comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s